Pesquisar este blog

Carregando...

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Instituto Estrada Real publica texto do BLOG VIAGENS PELO BRASIL

Mais uma vez, o Instituto Estrada Real publicou texto do BLOG VIAGENS PELO BRASIL em seu site. A dica de turismo está disponível na seção Diário de Viagens . "Fazer o que gosta: escrever, fotografar e, claro, viajar e, ainda, ver a repercussão do seu trabalho em importantes portais é muito gratificante e dá ânimo para continuar", afirma a blogueira e gestora do blog Viagens pelo Brasil, Karina Motta.

"Este é um reconhecimento que engrandece e alegra muito", conclui Karina.

Desta vez, o post publicado foi sobre São Tomé das Letras, que fica na região sul do estado de Minas Gerais. A cidade é conhecida pelo misticismo. "O místico atrai muitos visitantes todos os anos para a cidade, mas, as belezas naturais do município são magníficas. A Serra da Mantiqueira emoldura São Tomé das Letras. Lá, o pôr do sol ganha ainda mais beleza e muitas cachoeiras são de fácil acesso. Realmente, é um lugar para ser apreciado", conclui.


Veja a íntegra da publicação: 


Diário em destaque


BLOG VIAGENS PELO BRASIL - ...

TURISTA: 
Karina Motta

FORMA DE LOCOMOÇÃO: 
Carro

PERÍODO: 
01/07/2014 à 01/07/2014

CIDADES VISITADAS: 
São Thomé das Letras

CAMINHOS VISITADOS: 
Caminho Velho

RESUMO: 
A fama é de que em São Tomé das Letras, na região Sul de Minas Gerais, os contatos com extraterrestres são constantes. Há uma mística que dá fama à cidade e faz com ela receba inúmeros turistas sempre. Minha curiosidade era grande, pois, em Minas, o município é muito comentado. Pois bem, fui conferir de perto os mistérios do lugar. E não me arrependi, pois, não só de misticismo vive a cidade, mas, sim, de exuberâncias naturais, com a Serra da Mantiqueira e cachoeiras. Só de chegar a São Tomé das Letras, há uma sensação diferente, mas, não se pode negar que é uma percepção maravilhosa, com lindas paisagens, cachoeiras de fácil acesso, pedras, grutas lindas e misteriosas e o melhor montanhas encantadoras com muito verde. A atmosfera é mesmo diferenciada neste local. Só de chegarmos sentimos uma aura diferente, algo inexplicável. No Vale das Borboletas também tivemos a mesma impressão. Muito antes do ET de Varginha aparecer, São Tomé das Letras já era conhecida como a cidade dos óvnis e ser um ponto para contato com extraterrestres. A cidade também atrai muitos esotéricos. Eles acreditam que ali tem uma energia especial. Outro mistério, diz respeito a uma gruta do município. Grutas – Diz a lenda que a gruta do Carimbado tem um túnel que sai em Machu Pichu, no Peru. Fica só a lenda mesmo, pois, tentamos entrar, mas era muito escura e com poucos passos dados, sentimos falta de ar. Para entrar nela, pulamos galhos de árvores e entramos em um buraco. Eu que não sou dada a aventuras, fui só de curiosa, mas, não poderia deixar de pisar com meus pés em um lugar que é a maior lenda da localidade. Bem perto dali, fomos conferir a ladeira do amendoim. Assim como acontece na rua de mesmo nome que fica em Belo Horizonte, se colocarmos o carro em ponto morto e tirarmos o pé do acelerador, ele anda sozinho. Todo mundo fica testando e brincando por lá. Todos registram, tiram fotos, fazem o teste diversas vezes. É pura diversão. Até adultos voltam a ser criança com a curiosidade deste lúdico mistério! Já no centro da cidade, ao lado da Matriz, uma pequena gruta, a São Tomé, é uma graça e de facílimo acesso. Dizem ter sido ali que foi encontrada a estátua de São Tomé, que dá nome à cidade. Lá também se encontra inscrições rupestres – não tão ricas em detalhes como as que o Blog Viagens pelo Brasil já viu em Cocais. Contam é que a partir destes registros arqueológicos foi que se tirou o termo &lquot;das Letras&rquot; para o nome da cidade. Cachoeiras – Quem quer curtir as lindas cachoeiras de Minas Gerais e não quer fazer muito esforço para chegar até elas, deve ir a São Tomé das Letras. A maioria é de fácil acesso e não deixam a desejar em beleza e ainda proporcionam deliciosos banhos referescantes. O Vale das Borboletas faz jus ao nome. Lindas e coloridas, elas estão por toda parte. O charme do local também fica por conta de uma caverna com samambaias e a cachoeira sai em duas vazões/colunas, com queda dágua, funcionando como hidromassagem. Relaxante... Na entrada do vale, algumas barraquinhas oferecem produtos artesanais e cachaças das mais variadas para a venda. Algumas têm raízes e outras animais. Até com cobra, vimos. Para variar, a mais bonita e mais famosa é a Véu da Noiva. A mais próxima do centro da cidade é a da Eubiose e tem uma trilha tranquila. Agora, facilidade de acesso mesmo é a do Flávio. Famílias sempre a procuram por não precisar nem caminhar muito para se chegar até ela. Existem outras cachoeiras, mas, deixamos para visitá-las em outra oportunidade. As construções e as ruas de pedra, principalmente quartzito e extraídas nas pedreiras do município, também chamam bastante atenção. Basta andar pelas ruas da cidade para nos esbarramos, em cada esquina, com edificações deste tipo, datadas do século XVIII. A pousada Arco-íris onde ficamos hospedados, os passos da Paixão de Cristo e a igreja do Rosário são exemplos. As pedras também são a matéria-prima para artesanatos que são vendidos. Aliás, um mimo já nos recebia em nossas instalações na pousada: bombons e uma casinha de pedra para levarmos de lembrança do local. Achei muito gentil e fofo. As pousadas entram no clima místico e aproveitam elementos como duendes, gnomos na decoração. Os moradores e o pessoal que vai para lá é bem alternativo. A atmosfera hippie domina. Ao sairmos à noite, procurando um lugar para jantarmos, paramos em umas barraquinhas. E, claro, conversamos com muitas figuras emblemáticas que sempre visitam a cidade ou moram nela. Uma turista nos perguntou de onde éramos e, ao respondermos da Capital, ela logo soltou a frase: &lquot;que legal! Lá tem umas rave &lquot;mó legal!&rquot;. Achei engraçado. Ao lado dela, um rapaz interessantíssimo que eu ainda não tinha ouvido falar, mas, ao voltar para casa, baixei no youtube vários vídeos dele, inclusive, com a música que ele compôs em homenagem à mãe e nos contou a história ali mesmo. O nome do rapaz é Tibilk e a música, Ai Lourdes: Ai Lourdes, o que é que ocê tem que ocê não dorme? É o pó, é o pó é o pó, pó, pó &lquot;poblema&rquot;. Tibilk! Tibilk! O que que é que ocê tem que ocê não come. É o pó, é o pó é o pó, pó, pó poblema&rquot;! Ri demais... Uma figura!Ele tocava com o Ventania, que mora e é bem conhecido em São Tomé das Letras, faria show em uma casa, mas, não assistimos. Há alguns anos, o Ventania foi revelação em São Tomé das Letras. É uma lenda da cidade, compositor e possui um visual muito característico. Também é conhecido em cidades com tradição universitária em Minas Gerais, como Diamantina, Ouro Preto e Alfenas. Igrejas – E, se minha paixão é a igreja do Rosário, essa superou minhas expectativas. Tal qual e tão bonita quanto a de Coronel Xavier Chaves, ela é toda de pedra, seguindo a característica principal da arquitetura local. Contam que ela começou a ser construída pelos escravos no século XVIII, mas a conclusão da obra só se deu em 1995. As pedras foram retiradas das pedreiras locais e empilhadas sem nenhum tipo de rejunte. A matriz fica na praça Barão de Alfenas e tem estilo barroco. Por dentro é linda onde o rococó se destaca Parque – Exuberante, com vista privilegiada, inclusive para o pôr do sol – minha segunda paixão que amo fotografar em toda viagem que faço – e ainda engloba os principais pontos turísticos da cidade: Cruzeiro – de onde se vê toda a cidade e é o ponto mais alto da mesma, Pirâmide, Discoporto, que é o reservatório de água a cidade em formato de disco voador. O Mirante e Pedra da Bruxa. Ela recebeu este nome porque o desenho formado pela rocha faz alusão a uma bruxa. Estou falando do Parque Municipal Antônio Rosa. Para fotografar o pôr do sol, a tradição é marcar encontro na Casa da Pirâmide, toda feita em pedra e que está abandonada. É um dos pontos mais altos da cidade. São Tomé das Letras fica a 1444 metros de altitude e dela é possível ver toda a Serra da Mantiqueira. É simplesmente encantador ver as montanhas, as matas e o pôr do sol em Minas Gerais, principalmente, da cidade, que é linda em termos de belezas naturais. Enfim, os encantos de São Tomé das Letras são muitos e altamente atraentes é realmente um lugar místico e se é possível mesmo o contato com extraterrestes, não sei, mas, de uma coisa eu tenho certeza: o contato com a natureza e suas belezas é, sem sombra de dúvidas, em primeiríssimo grau e enche o coração, a vida, os olhos de uma imensa energia positiva!

DICAS PARA OUTROS VIAJANTES: 
Visitei e recomendo: Gruta do Carimbado Ladeira do amendoim Vale das Borboletas Cachoeira Véu da Noiva Cachoeira da Eubiose Cachoeira do Flávio Pousada Arco-íris Passos da Paixão de Cristo Igreja do Rosário Igreja Matriz Praça Barão de Alfenas Parque Municipal Antônio Rosa Cruzeiro Pirâmide Discoporto Mirante Pedra da Bruxa Localização: São Thomé das Letras fica na região Sul de Minas Gerais, a 331 km de Belo Horizonte

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

A mística dos encantos de Minas

São Tomé das Letras/MG, onde o contato imediato com a  natureza,  belas paisagens e misticismo é de primeiro grau

A fama é de que em São Tomé das Letras, na região Sul de Minas Gerais, os contatos com extraterrestres são constantes. Há uma mística que dá fama à cidade e faz com ela receba inúmeros turistas sempre. Minha curiosidade era grande, pois, em Minas, o município é muito comentado. Pois bem, fui conferir de perto os mistérios do lugar. E não me arrependi, pois, não só de misticismo vive a cidade, mas, sim, de exuberâncias naturais, com a Serra da Mantiqueira e cachoeiras.  A cidade faz parte da Estrada Real.


Só de chegar a São Tomé das Letras, há uma sensação diferente, mas, não se pode negar que é uma percepção maravilhosa, com lindas paisagens, cachoeiras de fácil acesso, pedras, grutas lindas e misteriosas e o melhor montanhas encantadoras com muito verde. A atmosfera é mesmo diferenciada neste local. Só de chegarmos sentimos uma aura diferente, algo inexplicável. No Vale das Borboletas também tivemos a mesma impressão.
 
1444 m  acima do nível do mar
Caixa d´água em formato de nave espacial (discoporto)
Muito antes do ET de Varginha aparecer, São Tomé das Letras já era conhecida como a cidade dos óvnis e ser um ponto para contato com extraterrestres.  A cidade também atrai muitos esotéricos. Eles acreditam que ali tem uma energia especial. Outro mistério, diz respeito a uma gruta do município.
Grutas – Diz a lenda que a gruta do Carimbado tem um túnel que sai em Machu Pichu, no Peru. Fica só a lenda mesmo, pois, tentamos entrar, mas era muito escura e com poucos passos dados, sentimos falta de ar. Para entrar nela, pulamos galhos de árvores e entramos em um buraco. Eu que não sou dada a aventuras, fui só de curiosa, mas, não poderia deixar de pisar com meus pés em um lugar que é a maior lenda da localidade. 
Gruta do Carimbado - É preciso cuidado para entrar
Bem perto dali, fomos conferir a ladeira do amendoim. Assim como acontece na rua de mesmo nome que fica em Belo Horizonte,  se colocarmos o carro em ponto morto e tirarmos o pé do acelerador, ele anda sozinho. Todo mundo fica testando e brincando por lá. Todos registram, tiram fotos, fazem o teste diversas vezes. É pura diversão. Até adultos voltam a ser criança com a curiosidade deste lúdico mistério! Já no centro da cidade, ao lado da Matriz, uma pequena gruta, a São Tomé, é uma graça e de facílimo acesso. Dizem ter sido ali que foi encontrada a estátua de São Tomé, que dá nome à cidade. Lá também se encontra inscrições rupestres – não tão ricas em detalhes como as que o Blog Viagens pelo Brasil já viu em Cocais. Contam é que a partir destes registros arqueológicos foi que se tirou o termo “das Letras” para o nome da cidade.
No detalhe, imagem de São Tomé
Gruta São Tomé
Cachoeiras – Quem quer curtir as lindas cachoeiras de Minas Gerais e não quer fazer muito esforço para chegar até elas, deve ir a São Tomé das Letras. A maioria é de fácil acesso e não deixam a desejar em beleza e ainda proporcionam deliciosos banhos referescantes. O Vale das Borboletas faz jus ao nome. Lindas e coloridas, elas estão por toda parte. O charme do local também fica por conta de uma caverna com samambaias e a cachoeira sai em duas vazões/colunas, com queda dágua, funcionando como hidromassagem. Relaxante... Na entrada do vale, algumas barraquinhas oferecem produtos artesanais e cachaças das mais variadas para a venda. Algumas têm raízes e outras animais. Até com cobra, vimos.

 Para variar, a mais bonita e mais famosa é a Véu da Noiva. A mais próxima do centro da cidade é a da Eubiose e tem uma trilha tranquila. Agora, facilidade de acesso mesmo é a do Flávio. Famílias sempre a procuram por não precisar nem caminhar muito para se chegar até ela. Existem outras cachoeiras, mas, deixamos para visitá-las em outra oportunidade.
Cachoeira do Flávio


Cachoeira da Eubiose

As construções e as ruas de pedra, prin-cipalmente quartzito e extraídas nas pedreiras do município, também chamam bastante atenção. Basta andar pelas ruas da cidade para nos esbarramos, em cada esquina, com edificações deste tipo, datadas do século XVIII. A pousada Arco-íris onde ficamos hospedados, os passos da Paixão de Cristo e a igreja do Rosário são exemplos. As pedras também são a matéria-prima para artesanatos que são vendidos. Aliás, um mimo já nos recebia em nossas instalações na pousada: bombons e uma casinha de pedra para levarmos de lembrança do local. Achei muito gentil e fofo.

As pousadas entram no clima místico e aproveitam elementos como duendes, gnomos na decoração. 

Os moradores e o pessoal que vai para lá é bem alternativo. A atmosfera hippie domina. Ao sairmos à noite, procurando um lugar para jantarmos, paramos em umas barraquinhas. E, claro, conversamos com muitas figuras emblemáticas que sempre visitam a cidade ou moram nela. Uma turista nos perguntou de onde éramos e, ao respondermos da Capital, ela logo soltou a frase: “que legal! Lá tem umas rave “mó legal!”. Achei engraçado. Ao lado dela, um rapaz interessantíssimo que eu ainda não tinha ouvido falar, mas, ao voltar para casa, baixei no youtube vários vídeos dele, inclusive, com a música que ele compôs em homenagem à mãe e nos contou a história ali mesmo. O nome do rapaz é Tibilk e a música, Ai Lourdes: Ai Lourdes, o que é que ocê tem que ocê não dorme? É o pó, é o pó é o pó, pó, pó “poblema”. Tibilk! Tibilk! O que que é que ocê tem que ocê não come. É o pó, é o pó é o pó, pó, pó poblema”! Ri demais... Uma figura!Ele tocava com o Ventania,  que mora e é bem conhecido em São Tomé das Letras, faria show em uma casa, mas, não assistimos.

Há alguns anos, o Ventania foi revelação em São Tomé das Letras. É uma lenda da cidade, compositor e possui um visual muito característico. Também é conhecido em cidades com tradição universitária em Minas Gerais, como Diamantina, Ouro Preto e Alfenas.


Igreja do Rosário
Igrejas – E, se minha paixão é a igreja do Rosário, essa superou minhas expectativas. Tal qual e tão bonita quanto a de Coronel Xavier Chaves, ela é toda de pedra, seguindo a característica principal da arquitetura local. Contam que ela começou a ser construída pelos escravos no século XVIII, mas a conclusão da obra só se deu em 1995. As pedras foram retiradas das pedreiras locais e empilhadas sem nenhum tipo de rejunte.  

A matriz fica na praça Barão de Alfenas e tem estilo barroco. Por dentro é linda onde o rococó se destaca
Matriz tem estilo Rococó

Parque Municipal Antônio Rosa
Parque – Exuberante, com vista privilegiada, inclusive para o pôr do sol – minha segunda paixão que amo fotografar em toda viagem que faço – e ainda engloba os principais pontos turísticos da cidade: Cruzeiro – de onde se vê toda a cidade e é o ponto mais alto da mesma, Pirâmide, Discoporto, que é o reservatório de água a cidade em formato de disco voador. O Mirante e Pedra da Bruxa. Ela recebeu este nome porque o desenho formado pela rocha faz alusão a uma bruxa. Estou falando do Parque Municipal Antônio Rosa.
Parque Municipal Antônio Rosa

Para fotografar o pôr do sol, a tradição é marcar encontro na Casa da Pirâmide, toda feita em pedra e que está abandonada. É um dos pontos mais altos da cidade. São Tomé das Letras fica a 1444 metros de altitude e dela é possível ver toda a Serra da Mantiqueira. É simplesmente encantador ver as montanhas, as matas e o pôr do sol em Minas Gerais, principalmente, da cidade, que é linda em termos de belezas naturais.
Parque Municipal Antônio Rosa com a Serra da Mantiqueira ao fundo
Enfim, os encantos de São Tomé das Letras são muitos e altamente atraentes é realmente um lugar místico e se é possível mesmo o contato com extraterrestes, não sei, mas, de uma coisa eu tenho certeza: o contato com a natureza e suas belezas é, sem sombra de dúvidas, em primeiríssimo grau e enche o coração, a vida, os olhos de uma imensa energia positiva!




Visitei e recomendo:
Gruta do Carimbado
Ladeira do amendoim
Vale das Borboletas
Cachoeira Véu da Noiva
Cachoeira da Eubiose
Cachoeira do Flávio

Pousada Arco-íris

Passos da Paixão de Cristo

Igreja do Rosário

Igreja Matriz

Praça Barão de Alfenas

Parque Municipal Antônio Rosa

Cruzeiro
Cruzeiro

Pirâmide
Pirâmide
Discoporto

Mirante
Mirante

Pedra da Bruxa


Localização:

São Thomé das Letras fica na região Sul de Minas Gerais, a 331 km de Belo Horizonte. A cidade faz parte da Estrada Real

Aproveite para conhecer e curtir também a página do BLOG VIAGENS PELO BRASIL no facebook: www.facebook.com.br/blogviagenspelobrasil


* Texto e fotos: Karina Motta


domingo, 2 de novembro de 2014

Fim de semana curtindo alguns pontos turísticos da Pampulha/BH




Tirei o fim de semana para visitar uma casa que virou museu em BH no ano passado e eu já havia ido duas vezes sem conseguir entrar. Desta vez consegui e ainda encontrei guias bastante atenciosos. Não fotografei detalhes da decoração da casa, pois, me ative aos detalhes da arquitetura, mas, os móveis de época são lindos e a decoração da casa como um todo também de muito bom gosto. 

A proposta de casa-museu está presente na mostra Casa Kubitschek: uma invenção modernista do morar. Já no térreo, a exposição Pampulha: Território da Modernidade contextualiza as várias 'Pampulhas' no tempo e no espaço, a partir do Arraial de Santo Antônio da Pampulha Velha, surgido no século XIX, passando pela 'Era Kubitschek' em BH e a inauguração do complexo arquitetônico, em 16 de maio de 1943. 

A Casa Kubitscheck foi projetada em 1943 para ser residência de fim de semana para o então prefeito
de Belo Horizonte Juscelino Kubitschek. Ela segue o mesmo estilo do Iate Tênis Clube, com telhado em asa-de-borboleta e planos inclinados, características da arquitetura brasileira dos anos 50, o Modernismo. Os jardins e o pomar são de Burle Marx. A casa se mantém como o projeto original, pois as reformas que foram feitas tiveram assistência direta do arquiteto Oscar Niemeyer, autor do projeto original.

Endereço: Avenida Otacílio Negrão de Lima, 4188 - Pampulha
   




  


  
  


  
  

Passear pela Pampulha é sempre muito bom! 

Mineirinho e Mineirão
Igrejinha da Pampulha/São Francisco. Ao fundo, Roda gigante do Parque Guanabara


Mirante da Lagoa da Pampulha

  

Parte externa do Parque Ecológico da Pampulha



Exposição Atenas e sua Acrópole na Casa do Baile/BH
Por fim, enquanto não realizo meu sonho de conhecer a Grécia, vou descobrindo esta maravilha aqui mesmo no Brasil. Desta vez, visitei a exposição Atenas e sua Acrópole, que está em cartaz até o dia 30 de novembro, na Casa do Baile, na Pampulha, BH. E assim vou me aproximando cada vez mais das origens da humanidade.

Esculturas e fotos de grandes nomes da Grécia apresentam o berço da civilização que tanto me encanta. São 13 cópias de esculturas produzidas pela Caixa de Recursos Arqueológicos da Grécia e que transitam pelo período arcaico e a era clássica. Além de cerca de 40 fotografias de nomes gregos como Alexandros Kolokythas, Alexandros Vogiatzakis, Giorgios Korakianitis e Pier Giorgio Carloni.

Revisitar a Casa do Baile é sempre muito agradável. Ela é referência da arquitetura moderna brasileira. O projeto original é de Oscar Niemeyer e o paisagismo, de Roberto Burle Marx, que sempre tinham como proposta, a integração do ambiente da lagoa da Pampulha. As curvas são marcantes no projeto.